Automação Comercial

Financiar um veículo, contratar consórcio ou comprar de leilão? Veja as opções!

Banner Sinergia Brazil
Banner Rancho do Pescador
Banner Melhores Cursos Online

Comprar um carro para uso diário não é um investimento. A menos que você precise de um veículo para trabalhar como motorista de aplicativo, o resto é uma despesa. Mas se um carro faz sentido nas suas necessidades diárias, é hora de pensar em como adquiri-lo. Tudo depende da sua necessidade atual.

Como temos conhecimento, os preços dos carros dispararam em 2021. Hoje, o modelo zero quilômetro mais “acessível” do mercado começa em R$ 60 mil.

Partirmos do princípio que estamos falando de uma pessoa que não conseguirá guardar dinheiro para realizar a compra do veículo. Separar um valor mensalmente é o mais indicado para quem possui um controle financeiro maior.

Para a compra parcelada existem duas modalidades: financiamento ou CDC, geralmente com valores pré-estabelecidos, e consórcio, mais comum em parcelas reajustáveis.

Banner Espaçamento

A escolha do consórcio e empréstimo depende do momento

Não dá para dizer de cara qual é o melhor. Tudo depende da hora e situação. Não há uma escolha perfeita. A escolha entre financiamento e consórcio depende da situação do consumidor e do cenário em que ele está inserido.

A pessoa vai escolher o empréstimo se precisar do ativo no curto prazo. E, em geral, ele pode escolher o consórcio para uma compra mais planejada e esperar até ter aquele carro. Se precisar do imóvel em pouco tempo, o consórcio quase nunca valerá a pena.

Financiamento e consórcio são duas coisas diferentes. Assim como comer uma pizza ou um hambúrguer. Um não é melhor do que o outro. Tem dia que dá vontade de comer um hambúrguer. Neste caso, não é a vontade, mas as condições. A pessoa tem que ver qual produto se encaixa melhor.


Como funciona o consórcio

Enquanto no CDC você sai da loja, o consórcio pode fazer você esperar anos para pegar o carro. Há uma metáfora aí.

Imagine que você e seu amigo não tem dinheiro para comprar um carro. Mas ele tem metade do dinheiro, e você também. Que tal vocês dois juntarem as metades? Sem pagar juros, vocês fazem um sorteio e um dos dois terá um carro imediatamente. Essa é a ideia do consórcio. Tem gente lá que paga uma pequena taxa, essas pequenas taxas juntas compram um carro que já serve para alguém.

No primeiro ano o veículo é de um e no ano seguinte, do outro. Ambos precisam pagar todos os meses até terminar, para não haver risco do crédito. Economicamente falando, a ideia do consórcio faz total sentido.

Indo para o mundo real, quem arca com esses riscos é o banco. É normal que quem administra o consórcio, para o qual trabalha, receba uma taxa administrativa. Mas a crítica de doutorado não é a forma.

Ainda é um serviço caro. As taxas são altas. Não queremos entrar no argumento de que os bancos estão cobrando muito juros nos financiamentos. Pode-se justificar que o índice de inadimplência no Brasil seja muito alto, unido a sede dos lucros trimestrais dos bancos públicos e privados.

Para ele, taxas administrativas até 10% estão mais do que razoáveis. De 10 a 15% virou um padrão de mercado. Mas acima de 15%, em sua opinião, não vale a pena.

Os especialistas concordam que comprar à vista é o melhor.

“Mesmo colocando o custo de oportunidade, a menos que você, óbvio, consiga triplicar o patrimônio, é melhor do que financiado ou por consórcio”, diz o consultor da Planejar.

Daí o motivo para dizer que o consórcio funciona para pessoas que não conseguem poupar de jeito algum.

“Aquele boleto do consórcio é uma coisa que obriga a pessoa a fazer a poupança. Você tem lances e uma série de coisas que tornam o consórcio um produto muito específico”, diz Carlos Campani.

Carlos compara o consórcio aos conceitos de teoria dos jogos: a cada período, você tem o veículo. Começa o jogo. Se der um lance baixo, não consegue o carro. Se der um lance alto, quanto estimar o valor?

“A maioria das pessoas, naturalmente, não tem conhecimento da teoria dos jogos. Elementos probabilísticos e estatísticos para aplicar, para saber se está caro ou não. É uma conta muito difícil para ser feita”, comenta Campani.

Você pode perguntar e dizer que vai tentar antecipar o carro. Cuidado. Nélio Costa faz uma comparação: No CDC, para um carro de R$ 100 mil, por exemplo, se alguém pagasse 60% e comprasse os outros 40%, pagaria juros de R$ 40 mil.

No consórcio, a taxa cobrada é baseada no valor da carta, que neste caso é de R$ 100 mil. Mas essas taxas (administrativas, reservas e seguros) são distribuídas por 48 ou 60 meses.

Se um consumidor fizer uma oferta (fixa ou gratuita), ele paga uma taxa sobre um valor que já possui (em média, 40 a 60% do valor da carta).

“Enquanto o financiamento tem juros por um período sobre um valor contratado, no consórcio, a taxa é paga sobre o valor total do bem”, explica Costa.

Mas para que a comparação seja justa, a diferença entre os juros e a taxa também deve ser considerada.

“No CDC os juros são, por exemplo, de 3% ao mês sobre o valor contratado, o que resultaria em algo como 300% em um período de 48 meses, enquanto no consórcio são pagos de 15 a 20% a carta durante todo o período”, acrescenta Nélio.


Alternativa mais em conta – Leilão

Se você ainda pesquisa um veículo, porém não pode pagar um consórcio ou financiamento por empréstimo por conta dos juros, existe uma outra possibilidade mais viável. O leilão.

É certo que os carros de leilão geralmente necessitam de alguma revisão, conserto de peças e etc. e o valor final do veículo fica abaixo de mercado pelo histórico de leilão. Porém é uma alternativa.

O que é importante tomar conhecimento é que o valor deve ser pago integralmente. Ou seja, não existe parcelamento de carro comprado via leilão. Após dar o lance vencedor você recebe um boleto para pagar o valor integralmente, em uma única parcela. Um fator positivo é que quase em todos os leilões de automóveis, os veículos não vem com dívidas junto ao DETRAN do estado.


Agência bancária

Ainda tem dúvidas e não tem ideia de quem pedir ajuda? Você pode ir à sua agência bancária e pedir ajuda ao seu gerente. Ele conhece suas finanças e pode ajudar você pontualmente para resolver a questão.

 

Foto Destaque: Pixabay/Banco de imagens

Banner Melhores Cursos Online

Sabor à Vida

Portal do Estado de São Paulo com tudo sobre Gastronomia: Notícias, TV, Cozinhas, Bebidas, Técnicas, Artigos, Guia Gastronômico, Receitas, Classificados e muito mais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

7 − 1 =