» Início » Colunistas » Viagem à La Paz – Bolívia

Viagem à La Paz – Bolívia

por | dez 6, 2019 | Colunistas

Receba o conteúdo do Sabor à Vida!

No mês de novembro, deste ano, tive a oportunidade de conhecer mais uma cidade fantástica: La Paz, na Bolívia, que ainda é um lugar pouco conhecido pelos brazucas e penso que deveria entrar no seu roteiro de viagens, ou mochilão, de repente.

A fim de iniciarmos este artigo, a capital constitucional da Bolívia não é La Paz, e sim Sucre. É facilmente confundida por ser a capital administrativa, ou seja, temporariamente, é a cidade que abriga o presidente e o poder legislativo – sendo assim, não é a capital mais alta do mundo. Além disso, o país tem o tamanho um pouco maior que o estado do Mato Grosso e possui muitas paisagens devido às diferenças de climas dentro do mesmo país.

A aproximadamente 3.600m acima do nível do mar, com picos nevados, trânsito caótico e muito frango frito poderiam ser as primeiras impressões dessa grande cidade, de quase quatro milhões de pessoas, porém ela é muito mais que isso. Aqui vou falar um pouquinho das do que pude vivenciar, as impressões, curiosidades deste lugar fantástico e dar algumas dicas para a sua próxima viagem.

Gastronomia

Quinoa e batata são a base dos pratos nessa região. A carne mais consumida, sem dúvidas, é a de frango, que sem exageros pode ser encontrado a cada esquina, dependendo do bairro – e tudo isso em um país que não tem o KFC.

E por que não existem restaurantes fast-food em um potencial consumidor na América do Sul? Bom, o McDonald’s poderia dar essa resposta após ter sua rede rejeitada pela população, no ano de 2015, quando, em um momento a outro, precisou encerrar a atividade de suas 14 unidades na Bolívia. Em suma, o boliviano é resistente ao conceito de comida rápida (ainda que com o tempo venha perdido força), ou seja, gosta de apreciar o momento de refeição, saber quem a preparou e, se possível, enxergar o que compõe o seu prato. “Provecho!” é uma frase de saudação nos momentos de refeição, e tão sagrado quanto um “te amo”. Com isso, redes como Burger King, que ainda resistem no país, tendem a focar mais no turista para se manterem.


Clima

A cidade tem um clima frio de altitude, ou seja, tem pouca influência das massas de ar e, há ocorrências de neve nos meses mais frios e às vezes também nos meses mais chuvosos, como o verão no hemisfério sul.

No fim do mês de novembro pude presenciar temperaturas entre zero e 18 graus. Dentro da cidade, ainda, a temperatura pode variar, já que, quanto mais ao sul, menor é a altitude e, consequentemente, mais frescas são as temperaturas.


Bairros de La Paz


Centro (Casco Viejo)

É a região mais turística onde se encontram as ruas Sagárnaga, a famosa Calle de las Brujas (Rua das Bruxas) e a Plaza Murillo. É um bairro muito movimentado de dia e calmo à noite, com construções históricas e ruas mais estreitas e ladrilhadas. Lá também se encontram o mercado Lanza, o mercado Camacho e a basílica de São Francisco. É uma região com hotéis e alguns hostels mais em conta e de fácil deslocamento aos pontos turísticos (você talvez pedirá muito por isso). Nesta região estamos a 3.700m acima do nível do mar e os sintomas do mal de altitude podem te incomodar mais.


Sopocachi

Um bairro boêmio, cheio de barezinhos e lojinhas famosas. Um lugar mais arborizado e, quiçá com um arzinho do bairro Jardins, em São Paulo. Lanchonetes temáticas, salas de cinema, centro de compras e baladas são encontradas facilmente nesse aqui, que fica a aproximadamente 4km do centro histórico. Neste ponto, os hotéis são um pouco mais disputados, porém o mal de altitude pode ser menos sentido por estar em uma altitude menor (aprox. 3.400m). As linhas celeste e branca do teleférico o ligam aos demais distritos.


Obrajes

Um bairro um pouco mais distante do centro, a uns 9km e, 3.300m de altitude. Um bairro que à primeira vista seria um pouco confuso: é um bairro mais “comum” e mescla terrenos comerciais, industriais e residenciais. Não muito frequentado por turistas, porém com muitas opções de Airbnb e alguns hostels. Pode ser acessado pela linha verde do teleférico.


Zona Sur

Seria mais ou menos o primo da zona sul do Rio de Janeiro – só que sem praia, claro. Lojas luxuosas, apartamentos no mínimo milionários e carros bem avaliados. De fato, a luxúria paira sobre essa região que, habitada pelos mais abastados, contrasta a realidade do restante da cidade. Ruas arborizadas, outlets e calçadões refletem um distrito onde hotéis são, em geral, mais caros e fica a aproximadamente 12km do centro da cidade ou também facilmente acessado pela linha verde do teleférico. É o ponto final da linha verde do teleférico.


O Soroche (Mal de Altitude)

Achei que era exagero dos conhecidos que já visitaram algum país andino e contaram sobre o mal de altitude. Ao descer do avião já é possível sentir os sintomas: coração acelerado, enjoo, dor de barriga e dificuldade em respirar. Tive que recorrer às folhas de coca, caramelos e qualquer outra coisa que tinha o símbolo da verdinha (a coca, claro). Ao contrário do que muitos pensam, não há efeito alucinógeno pela planta (no máximo você sentirá a garganta amortecida, pelo efeito anestésico). Pastilhas e bolsinhas de oxigênio podem ser encontradas nas farmácias, mas as folhas podem ser achadas em lugares mais turísticos ou em hotéis.


Dicas

  • É importante que você reserve os primeiros dias da viagem para se aclimatar à altitude. Não exija muito do seu corpo para que você não perca a sua viagem;
  • Apesar de os pontos turísticos estarem no Casco Viejo, ele pode ser acessado pelas linhas celeste, roja, naranja e morada do teleférico e, em alguns casos, talvez o bairro de Sopocachi seja uma boa opção para quem quer evitar um pouco a fadiga (isso é muito importante depois do terceiro dia que você está subindo e descendo ladeira);
  • Casas de câmbio estão espalhadas pelas partes mais turísticas da cidade e com cotação mais convidativa. Aparentemente todas trocam reais, e por isso, não é necessário trocar o dinheiro em dólar antes de levá-lo. Maquininhas de cartões de crédito também não foram um problema;
  • Uber funciona muito bem na cidade, inclusive de madrugada;
  • Os teleféricos podem te transportar para todos os cantos da cidade. É um sistema de transporte de dar inveja e fiquei boquiaberto com sua eficiência;
  • Tiwanacu, a estrada da morte e Chacaltaya são passeios de um dia e que você pode fazer tranquilamente a partir de La Paz, sem agendar com muita antecedência.

 

Enfim, La Paz, além de ser chamada de Ciudad del Cielo, ou Ciudad Maravilla é também um lugar, de certa forma peculiar, mas que dá a sensação de querer volta. Ela dá também um grande show com seu um povo tão carismático e ao mesmo tempo distante do resto do mundo, mas que deixa a mensagem clara de que é possível chegar longe e con altura.

 

Foto: João Ribeiro


João Ribeiro

JOÃO RIBEIRO

Trader de formação, colecionador de mapas, de carimbos de passaporte e grande apreciador da cozinha internacional.

1 Comentário

  1. Belo texto amigo! Uma elegância!! Bjs

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pacotes de Viagens